Lendas e Tradições

LENDA DE S. SILVESTRE


A poente de Baltar fica o monte de S. Silvestre, do alto do qual se avista o mar, assim como deste se via antigamente a branca capelinha do Santo, cuja imagem era festejada no último dia do ano; e de longas terras vinham romeiros, especialmente pescadores e marinheiros, com grande devoção, para cumprirem promessas feitas ao Santo, no alto mar, em momentos de aflição, em que recorriam à proteção do céu.
Mais tarde, os moradores do lugar de Fagilde construíram neste lugar uma pequena capela para onde trouxeram abusivamente a popular imagem de S. Silvestre; mas de noite uma mão oculta retirava a imagem e ia repô-la na sua capela do monte de S. Silvestre.
Dois grupos da terra, guerrearam-se entre si, pois queriam o Santo, em cada um desses lugares.
A luta durou bastante tempo, até que um dia os habitantes de Fagilde destruíram a capelinha do monte, de que há apenas restos das paredes tendo assim acabado a grande romagem no fim do ano.
A imagem do Santo ainda se conserva na capela de Nossa Senhora das Necessidades, no lugar da Capela, dantes chamada capela Fagilde.

Lenda recontada por José Leão
Actividade: Estórias do Vale do Sousa


PENEDO DA MANSA

Conta a lenda que existiu uma princesa moura que aquando da expulsão de seu povo (ainda no tempo de D. Afonso Henriques), para evitar que a mesma ficasse prisioneira dos cristãos, teve de ser encantada.
Reza então a lenda, que ela se encontra encantada no penedo e que o pinheirinho em que nele se encontra (e que há imensos anos se mantém do mesmo tamanho e forma) é um sinal de que a moira ainda vive à espera que alguém descubra a magia de a fazer voltar à forma real.
Conta-se que no tempo em que os Bombeiros Voluntário de Baltar ainda puxavam os carros à mão, um dia abriram a tampa que lá se encontrava, e tentaram entrar com uma escada, no seu interior. Para seu espanto, nesse instante ouviram uma linda música entrecruzada com muitos ruídos, saídos de dentro do penedo, que tiveram medo e fugiram.










Hoje
Baltar
°